RECEBA NOSSAS NOVIDADES! CADASTRE-SE

COMPORTAMENTO

Onde a vida nasce?

Por: Mirella AlbuquerqueINDIQUEIMPRIMIR

Onde a vida nasce?

Difícil lidar e difícil de entender o que se encontra do outro lado. O mais complicado é ter alguém lá e não poder se comunicar, é como se fossemos separados por um ou um vidro muito forte. As vezes se vê e as vezes se ouve, mas isso não é para todos. Para os escolhidos, é uma dádiva de Deus poder de alguma maneira inexplicável ter esta ligação, ou poder fazer um contato com uma energia que ainda não compreendemos como se manifesta no universo.
Esta carta que chegou é um desabafo sobre uma mãe cansada de tentar achar o caminho para poder ter alguns segundos preciosos com sua filha.
Fátima será o nome da mãe e a filha Ana, para serem preservadas.
Fátima conta a dor de ser só, pois é separada, tem poucos amigos, e tinha uma única filha com quem dividia um apartamento em Copacabana, Rio de Janeiro.
“O fato de chegar em casa e não ter com quem dividir um simples boa noite está sendo muito difícil. Com o tempo acabei acostumando a viver só para minha filha, me isolei de amigos. Bom, nunca tive muito jeito para conquistar novas amizades, sempre vivi na defensiva. É como se tudo e todos que me agrediram na infância me fizessem de ‘boba’ pudessem, de alguma forma, fazer o mesmo nos dias de hoje.
Quando se perde um ente querido no qual depositamos o peso de nosso corpo, como se fosse uma bengala emocional, a primeira coisa que se faz é tentar encontrar desesperadamente um meio de reatar o elo da saudade. Ficamos vulneráveis. Espiritismo e outras maneiras de contato espiritual. No meu caso tive sorte, através de um médium que era do centro espírita de Chico Xavier, e de uma maneira fantástica me deu uma carta onde narrava o seguinte.”
“Mãe, estou bem e aqui pude entender o porque minha vinda foi antecipada. Foi para que você pudesse enfrentar seus medos e resgatar seu destino, que o medo não deixou você ter. Muitas almas que aí vivem encarnadas são atormentadas pelo carma de vidas passadas. Daqui estou sempre vendo a senhora, sempre que me é permitido. Mãe, pode desmanchar meu armário e doar minhas bonecas para que outras crianças possam brincar com elas. Te amo muito e sempre estarei torcendo para que você cumpra sua missão. Sua filha Ana.“
Que loucura né? Mas logo que li esta carta escrevi para vocês, e me fez pensar nas coisas de um modo diferente. Vou mudar minha vida, vou encontrar minha razão de estar aqui neste mundo e ser feliz.
 

Comentários

2010-2013 Revista NINE - Todos os direitos reservados.

contato@revistanine.com.br
desenvolvido por Natus Tecnologia