RECEBA NOSSAS NOVIDADES! CADASTRE-SE

TRAVELLING

HOMEM

Por: Durval Pedroso INDIQUEIMPRIMIR

HOMEM

A MELHOR ESTAÇÃO DO ANO PARA SE JOGAR GOLFE


ogar golfe no hemisfério sul de nosso planeta, é uma possibilidade para todos os meses do ano, uma vez que no inverno nesta parte do globo, não se tem neve e a estação das chuvas, que em algumas regiões é no verão e em outras no próprio inverno, nem sempre se prolonga muito. Mas quando pensamos em quais estações do ano, o golfe fica mais interessante, não tenho duvida em afirmar que são o outono e a primavera, e neste caso vale tanto para os hemisférios norte como o nosso sul. Mas se quisermos definir qual a estação do ano, que da ao jogador de golfe a plenitude de sua pratica, não tenho dúvida, em afirmar que é a primavera, que vai começar no mês de setembro próximo.
Para justificar esta escolha, não precisamos recorrer a nenhum método cientifico ou mesmo recorrer a especialistas em clima, pois as justificativas são simples e contundentes. Primeiro porque como venho defendendo há muitos anos, não existe campo de golfe feio no mundo e sim mais bonitos. E na primavera, os campos mais bonitos ficam mais bonitos ainda, especialmente quando estes campos estão envolvidos em regiões onde a flora é exuberante, como em boa parte dos campos no Brasil, tanto na região sul como no norte. Mas isto não é privilégio de nossos campos, sou testemunha ocular, por já ter podido jogar na primavera, em campos de golfe da Argentina, do Chile, do Paraguai e da África do Sul, no hemisfério sul e nos Estados Unidos e na Espanha, no hemisfério norte. O espetacular na primavera, cuja temperatura amena nos permite jogar quase todos os dias da estação, é o envolvimento dos praticantes do golfe com a natureza, cuja escala cromática da paisagem, seja na montanha ou ao nível do mar, cria uma sensação fantástica para qualquer lugar que olharmos. Em alguns campos cujo o inverno tenha sido um pouco mais rigoroso, mesmo que sem neve, como no hemisfério sul, trás nesta estação para o seu ambiente ou em sua volta, muitos animais silvestres de pequeno porte, criando uma comunhão extraordinária entre a flora e esta fauna, tudo isto a vista de nós jogadores. Para não ficar esticando este meu artigo, vou dar apenas 3 exemplos que recomendo uma visita na primavera, de campos onde a exuberância da natureza faz o seu golfe ficar melhor ainda em termos sensoriais, vou citar dois exemplos no Brasil e um na África do Sul. No Brasil, certamente poderíamos dar mais de uma dezena de campos, especialmente alguns na região norte e nordeste, mas resolvi escolher, uma na montanha e outro que pega um pouco do mar e uma parte da montanha ao mesmo tempo, onde além da beleza do campo, o seu entorno é fantástico. O campo na montanha, que vale uma ida quase o ano inteiro, mas que na primavera fica dentro de uma região que atrai muitos turistas, pela beleza de suas flores e matas, é o Gramado Golfe Clube, na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul, um clube com 9 buracos, que exige muito de técnica de todos os níveis de golfistas, que é envolvido por muitas alamedas de hortênsias, matas onde encontramos muitas espécies de orquídeas, pinheiros, araucárias, que abrigam pássaros de muitas espécies, sem falar de esquilos e outros pequenos animais. Já o exemplo de praia e campo, que mais gosto nesta época do ano, é o Frade Golfe Clube, na cidade de Angra de Reis, no Estado do Rio de Janeiro, cuja paisagem ou como diriam os americanos o landscaping, é maravilhoso, pois a exuberância desta parte da mata atlântica, acoplada a qualidade e beleza do campo, tira o folego até dos menos insensíveis. Arvores centenárias, cobertas das mais diferentes qualidades de flores e a quantidade de bromélias, que circundam lagos e riachos, dão a pratica do golfe neste campo, um “appeal” diferenciado. Já o exemplo na África do Sul, que neste país certamente poderia chegar a casa de centenas de campos (lá há 400 campos de Golfe), eu daria o campo do Atlantic Beach Golf Club, a menos de 40 minutos da Cidade do Cabo, que é um campo link, onde a natureza foi preservada ao máximo, e a proximidade do mar e o fato de ao fundo emerge a famosa Table Moutain, um dos maiores cartões da Cidade, na primavera é algo espetacular, quando ao jogarmos em muitos buracos cegos ( os famosos blind holes, em que o jogador não ve da saida o green e muito menos o buraco), somos envolvidos por matas e flores típicos do litoral da Africa, e acompanhados em muitos momentos no campo, pelos Springboks (tipo de cervo ou gazela).
 

Comentários

2010-2013 Revista NINE - Todos os direitos reservados.

contato@revistanine.com.br
desenvolvido por Natus Tecnologia